Páginas

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Yes, nós temos o Lula!

O elogio de Barak Obama ao nosso presidente Lula, na reunião do G20, repercutiu, aqui, como um soco no estômago daqueles brasileiros que não se conformam com o brilho e o sucesso de um homem que, nascido pobre, de família analfabeta, enfrentou e venceu todos os obstáculos, e tornou-se um estadista com projeção internacional.


Os obstáculos impostos ao Luís Inácio da Silva, ao longo de sua vida, não foram simples obras do acaso, azares do destino, vontades de Deus. São obstáculos cuidadosamente criados, desenvolvidos e aperfeiçoados, ao longo de séculos, por uma sociedade elitista, aristocrática, que cuida e protege muito bem dos seus rígidos e eficazes mecanismos de estratificação e segregação social. Seca, fome, má distribuição de renda, exclusão social e educacional, preconceito, são apenas alguns desses obstáculos aparentemente casuais. O Lula venceu todos eles.

Quem é essa aristocracia brasileira, criadora e mantenedora dos mecanismos de controle social acima mencionados?

Infelizmente, não são apenas os barões e coronéis, herdeiros das capitanias, donos de grandes fortunas e extensões de terras, descendentes de sangue nobre, de famílias "de nome", sempre ligadas ao poder. Muitos brasileiros sem pedigree, sem grandes posses, sem sangue azul incorporaram a cultura e os valores da legítima aristocracia, dando-lhe forças, a baixo custo. São membros da classe média, aqueles que possuem um carro, uma casa financiada ou alugada, às vezes um diploma universitário (mas nenhuma cultura) e, por isso, julgam-se no direito de olhar para os menos abastados com ares de desdém, e não hesitam em colocá-los de volta ao seu "devido lugar", quando necessário. Esse exército alienado, acéfalo, de pobres almas sem opinião própria, a serviço dos "formadores de opinião" - a imprensa controlada pelos verdadeiros aristocratas - forma uma eficaz barreira de proteção, que amortece os possíveis conflitos sociais, logo em sua origem. São os pobres de espírito, controlando os pobres de recursos.


Assim como mestiços que se dizem neo-nazistas, esses pretensos aristocratas sem posses, intelectuais sem cultura, não percebem o papel ridículo que desempenham. Criticam, condenam e atacam categorias que incluem a si mesmos, impedindo o próprio sucesso, e de seus semelhantes. Essa lógica sem sentido dá origem a brasileiros que não acreditam no Brasil, e não aceitam qualquer tipo de sucesso brasileiro. Admiram e consomem todo tipo de produto com tecnologia importada, mas não querem estudar, para desenvolver a tecnologia aqui mesmo.

Esses são os brasileiros que não toleram o Lula, "o cara" que furou todos os bloqueios, e chegou ao topo da pirâmide. Como zagueiros passados para traz por um driblador genial, tentam a derrubá-lo a qualquer custo. Incapazes de criticar o conteúdo do que ele diz, criticam seus erros de português. Sem a menor noção de sua dimensão histórica e política, criticam ações e decisões pontuais. Inconformados com o sucesso de um presidente de origem pobre e sem diploma de nível superior, não se cansam de compará-lo ao seu antecessor, o sociólogo que se julga melhor que todo mundo, só porque respirou os ares de Sorbonne.

Pois é... gostem ou não, ninguém menos que o Barak Obama, o político mais poderoso e mais popular da atualidade, diplomado em Harvard, disse que "Lula é o cara". E não foi um comentário irônico, nem simples gentileza, como querem sugerir alguns - é a opinião de um estadista que, justamente por suas opiniões, ocupa posição de maior destaque no cenário político atual.

Não estou supervalorizando a declaração do Obama, até por ser redundante, já que é sabido que o Lula goza do respeito e admiração de vários outros líderes, de igual importância. Estou apenas me divertindo com a indisfarçável inveja de nossos aristocratas sem pedigree.

Também não estou beatificando o Lula. Estou reconhecendo nele o símbolo de um Brasil que pode dar certo, de um Brasil que valoriza a si mesmo, que reivindica o merecido respeito internacional, que tem orgulho de sua história, e se coloca de igual para igual, frente a qualquer outra nação. Enquanto o Brasil dos aristocratas é um país subdesenvolvido, atrasado, improdutivo, dependente e cheio de problemas, o Brasil do Lula é um país rico, independente, uma potência econômica, uma democracia respeitável.

Sim, nós temos o Lula!!! - e temos bananas, também!!! - bananas para todos!!!


Deixe seu comentário!

12 comentários:

Edson Menezes disse...

Muito bom !!!! Risos

Paulo Maurício Machado disse...

Oi Fábio, acabo de tomar conhecimento do seu blog através do portal Terra.

Muito bom mesmo o seu texto, seguramente uma das melhores análises que encontrei nesses últimos 3 dias em que a rede foi "incendiada" pelo Cara. E olha que sou "rato" de conteúdos na blogosfera, hein.

Tanto é verdade que, além de "favoritar", copiei o texto na íntegra e já despachei para toda a minha rede de relacionamentos, que não é nem um pouco pequena. Ah, com o devido link, claro, para ajudar a puxar tráfego para o seu blog.

Parabéns, enfim, pela lucidez e pela qualidade do texto, temperados por uma certeira dose de santo desabafo. Torço por você "desde criancinha". Sucesso, Cara!

Paulo Maurício Machado, Jornalista de Petrópolis, RJ

rivaldo disse...

Nada temos contra ou a favor de Lula ou de quem quer que seja, o que temos é qiue reconhecer que existe muita sujeira por baixo do tapete enquanto isto... o povo Brasileiro fica na miseria, é tome mais imposto, e tome mais cadeias e tome mais impunidade e violencia e desemprego, infelizmente tudo isto e ,muito mais fazia parte das campanhas. O povo brasileiro não quer sabwer de G. 20 nem que é o cara o povo brasileiro que açao e seriedade.
Rivaldo Frias dos Santos
academico de direito.
aracaju-se.

Fábio Prudente disse...

Paulo e Rivaldo, obrigado pelos comentários.

Acredito que vocês, por ângulos diferentes, tocaram no objetivo central desse texto, e do blog como um todo: Engajamento (ou o "santo desabafo").

Nosso povo perdeu a capacidade de opinar, de tomar partido, de se engajar. Fomos dominados por essa atitude inerte, tipo "Nada temos contra ou a favor de Lula ou de quem quer que seja", ou "O povo brasileiro não quer saber de G20 nem quem é o cara. o povo brasileiro que açao e seriedade". Tornamo-nos passivos, alheios, sempre à espera de que alguém resolva os NOSSOS problemas.

Anônimo disse...

lula-la, enfim temos um presidente bem melhor que os outros, pelo menos fez alguma coisa. espero que ele reelega, pois meu voto sempre sera dele.

Marcelo disse...

Caro professor Fábio parabéns pelos comentários.

Até hoje falo com orgulho das aulas de Princípios Básicos de Eletrônica Básica Industrial que tive com o professor Fábio Prudente. Camarada, naquela época nós alunos aprendíamos não só os conteúdos da disciplina, mas também aprendíamos a ter uma visão crítica das coisas que aconteciam na Técnica e no Brasil.
Bem, muita coisa tem para melhorar no nosso Brasil, mas só sendo cego para dizer que o meu país não está melhor. Saí da Escola Técnica em 1997 e ninguém comentava em concurso público nesse país. Vi aqui do meu lado uma grande empresa de distribuição de energia elétrica ser comprada por um valor que nem daria para construir 50% de suas subestações, sim e ninguém saber onde parou o dinheiro, isso sem falar da Vale do Rio Doce.
Foi um presidente chamado de analfabeto que gerou a grande revolução nesse país, foi ele quem abriu as portas da Petrobrás e de muitas outras empresas e instituições novamente para que funcionários novos fossem admitidos. Não entendo o que passava pela cabeça do nosso “querido” FHC, fez tudo para privatizar esse país por completo, e com as empresas que não conseguiu, trancou as portas das mesmas, já que a melhor forma de inviabilizar uma empresa é fechar suas portas para novos funcionários.
Fico triste sim em ver Sarney e Collor voltando com a “bola toda” mas não posso deixar a “urubuzada” cair em cima de um presidente que fez a grande façanha: Brasil de devedor a credor do Mundo.

Fábio um forte abraço..
Marcelo.

MURILO LIMA disse...

Numa sociedade hipócrita, que não valoriza e respeita a própria história e cultura e, permeada pelo falso moralismo e a Lei do Gérson é compreensível que não se dê valor a um ¨self-made man¨ como o Lula e que haja espanto e estranhamento diante de um elogio como o recebido. O fato do presidente não ter o tão valorizado e mencionado ¨pedigree¨ avaliado pela classe média, dentre outras formas, pelo sobrenome, pela formação universitária (¨se não é médico, advogado ou engenheiro não fez nada que preste¨), pela aparência e opulência ostentada as custas de cartões de crédito e cheque especial, incomoda e muito. Algo típico da mentalidade provinciana que ainda domina muitas capitais, principalmente no nordeste, achar que se você é bom teve o ¨empurrão¨ de um padrinho, é ¨peixe¨ de alguém.

A história de Lula e manifestações anteriores demonstram que ele não precisava do elogio de Obama para consolidar sua marca no cenário político mundial, mas o presidente americano prestou um serviço a nação brasileira ao constatar o óbvio nos fazendo refletir sobre a visão que temos de nossa sociedade e quais os reais valores de nossa nação.

Anônimo disse...

LULA É REALMENTE " O CARA "
E DILMA VAI SER " COROA "

Sérgio F. Lima disse...

Clap clap Clap

Onde fica o lugar para assinar em baixo :-)

Acho agora, pra variar vão ficar procurando cabelo em ovo e fiscalizaram até o espirro do LULA

abs

Júnior disse...

Interessante como a gente encontra os melhores blogs ao acaso...

Anônimo disse...

Morram de inveja FHC e sua turma de lacrais que só delapidaram e/ou acabaram com os bens públicos/estatais. Governaram com dinheiro emprestados pelo FMI. E hoje vão a imprensa para falar M...

Anônimo disse...

Mesmo sendo o cara, Lula não peita o PMDB. Pô! Ele tem a faca o queijo na mão, uma oportunidade única na história do país de dar um chega pra lá no Sarney.

Postar um comentário

Artigos mais recentes:

Artigos mais lidos:

.