Páginas

sábado, 19 de dezembro de 2009

A diferença entre Invenção e Inovação: Digitalização de Livros

Inovar não é apenas criar algo novo ou diferente... é criar algo surpreendente.

Uma dupla sertaneja pode ser muito criativa na composição de suas letras e arranjos, mas... será sempre uma dupla sertaneja! - a criação (invenção) de músicas novas não implica, necessariamente, em inovação. É verdade que algumas "duplas sertanejas" têm apenas um integrante... o que me deixa um tanto confuso... mas isso não é exatamente o que eu quero dizer quando me refiro a "surpreendente". (nada contra as duplas sertanejas, ok? - talvez eu não entenda muito desse gênero musical...)

Eu estava procurando soluções para digitalização de livros, e vejam o que eu encontrei:

Geralmente, quando pensamos em digitalização de textos, pensamos em scanners: aqueles equipamentos que vasculham a página, de cima a baixo, lendo-a linha por linha. Scanners são lentos, e alguns deles são barulhentos... Existem centenas de modelos diferentes de scanners, todos eles diferentes entre si, mas não há nada de surpreendente neles... não mesmo???



Apenas por curiosidade, como isso foi feito? - o ruído que normalmente ouvimos num scanner vem de seu motor de passo - um tipo de motor que, a cada pulso de comando elétrico, gira precisamente um determinado ângulo (um "passo"). Controlando a frequência dos pulsos de comando, controlamos a frequência do ruído emitido por ele. Daí, basta que alguém totalmente desocupado se dedique a afinar os tons, e programar a música.

Mas vamos em frente, afinal, reprogramar um scanner para tocar música é algo surpreendente, mas não é muito útil...

Scanners de mesa são interessantes para digitalização de folhas soltas, mas sua operação com livros (principalmente os grandes, pesados e volumosos) torna-se basante complicada. Para virar cada página, você tem que erguer o livro inteiro, virá-lo para cima, virar a página, e assentá-lo novamente sobre o vidro, tomando cuidado para esticar as páginas corretamente. Além de trabalhoso e improdutivo, esse processo é muito insalubre para o operador.

Uma solução óbvia para esse problema é inverter todo o mecanismo, deixando o livro confortavelmente apoiado sobre uma mesa, e escaneando-o por cima:


Mas esse processo ainda é lento demais!!! - Por que os scanners têm que funcionar dessa forma? - simplesmente por "tradição" tecnológica. O processo de escaneamento vem das antigas máquinas (analógicas) de fotocópia: apenas adaptaram o mesmo mecanismo a um sensor digital (o CCD), para digitalizar a imagem, linha por linha.

Os CCDs são os mesmos dispositivos usados nas câmeras digitais, para captar fotografias. Mas... as câmeras digitais não escaneiam mecanicamente a imagem de um lado a outro... por que os scanners ainda continuam fazendo esse processo mecanicamente? Isso era justificável na década de 80, quando os CCDs ainda estavam em sua infância, e o custo por pixel era alto - a solução, na época, era construir CCDs com todos os pixels em uma única linha (no eixo X, digamos), e mover mecanicamente o sensor ao longo do eixo Y. Hoje, temos CCDs bidimensionais, com milhões de pixels, de forma que a imagem é projetada sobre sua superfície, e captada de uma só vez.

Então, em vez de scanners, podemos usar câmeras fotográficas para digitalizar a página intera em um click! - em tese, esse processo será muito mais rápido. Vejam como seria:


Bem... dá pra ver que a captura é bem mais rápida, pois cada página é fotografada instantaneamente por uma câmera, mas o processo de virar manualmente as páginas ainda não é dos mais elegantes. Será que não há um jeito melhor de fazer isso, automaticamente? Vejam algumas soluções:

Primeiro, uma solução caseira:


ok... acho que essa ideia pode até ter futuro, mas ainda tem que melhorar muito...

Agora, uma solução mais profissional:



Não sei... confesso que essa máquina me dá medo! - ela é complexa demais!!! - fico imaginando que, um dia, ela pode tornar-se autoconsciente, e sair andando pelas ruas, com uma metralhadora nas "mãos", atirando prá todos os lados. Ok... talvez eu esteja vendo muitos filmes... mas lembre-se que essas máquinas vão ler todos os nossos livros! - melhor não facilitar... e mesmo que ela não se torne o Exterminador do Futuro... imagine o dia que ela precisar de manutenção!

O problema com esses dois mecanismos vistos acima é que eles tentam imitar o movimento humano, e esse é o ponto central deste artigo: Sempre que criamos algo, partimos de conceitos pré-existentes. Uma nova música sempre traz elementos de estilos existentes, uma nova máquina sempre usa conceitos de tecnologias anteriores.

Ninguém pode negar que, com exceção da música sertaneja, há muita criatividade e engenhosidade em todos os exemplos mencionados até aqui. Entretanto, nenhum deles é surpreendente; por mais complexas e elaboradas que sejam, em suas implementações, todas essas soluções são óbvias, em seus conceitos. Nada disso é inovador.

Finalmente, a solução genial, surpreendente, e inovadora:


Surpreender é fazer com que uma pessoa diga: "caramba! porque eu não pensei nisso antes!" - e foi exatamente essa a minha reação ao ver essa solução. É um sistema extremamente simples, rápido e eficiente, e seus autores conseguiram essa proeza, porque se libertaram dos conceitos existentes, e conseguiram pensar de forma verdadeiramente inovadora:

Abrir o livro totalmente, como nos scanners tradicionais, estraga a encadernação - assim essa solução apoia o livro em "V". O suporte permite ainda o ajuste para livros de qualquer espessura. Em vez de tentar criar complexos mecanismos para imitar o movimento humano, as páginas são viradas pelo próprio mecanismo de captura da imagem: ao encostar o vidro em V no livro, cria-se uma leve sucção, que une as páginas enquanto o mecanismo sobe, e um pequeno jato de ar vira as páginas para a esquerda, quando escaneadas. Tudo é muito simples... engenhosamente simples... inovadoramente simples.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

O certo, o errado, e eu

Você já teve a sensação de estar ficando maluco, por ter que explicar coisas óbvias, enquanto coisas absurdas parecem ser aceitas como normais?

Nossos políticos em Brasília são uma fonte inesgotável de exemplos assim: o sujeito é flagrado enfiando dinheiro de propina nas meias, e justifica, de forma muito simples: "só coloquei nas meias porque não uso mala". Pronto! tá tudo explicado! - Ele nem se dá o trabalho de negar a acusação!!!

Mas não quero aqui falar da (i)moralidade na política. O que realmente me assusta é a inversão de padrões morais em nosso dia-a-dia.

Apenas como exemplo, para iniciar minha reflexão, vou retomar (agora que a discussão já esfriou) o caso da estudante da Uniban, que quase pôs a universidade abaixo por causa de um vestido curto.

A estudante virou celebridade nacional, com entrevistas em horário nobre e destaque em capas das principais revistas. Durante 15 dias, esse parecia ser o assunto mais importante no país: todos queriam opinar se a moça tinha ou não o direito de usar um vestido curto dentro da universidade, se os estudantes tinham ou não o direito de provocar aquele ataque, e se a instituição tinha ou não o direito de expulsar a estudante. Ao final de toda a discussão... quem estava certo? e quem estava errado? alguém sabe? - alguém se importa?

Esse debate terminou exatamente como começou: cada um com sua opinião, baseada em nada, sem uma conclusão mais ampla. O que acontecerá, por exemplo, quando um aluno resolver assistir aula sem camisa? teremos toda essa polêmica novamente? o que aprendemos nesse debate?

Para mim, a conclusão é simples: todos estavam certos, em princípio, mas todos agiram de forma errada (ouch?! - isso é possível???), mas meu foco, aqui, não é discernir o que é certo ou errado.

Esse texto trata da aparente falta de interesse (ou coragem) em discutir seriamente cada questão, e chegar a conclusões. Perdidos na polêmica vazia entre o certo e o errado, onde relativizamos todos os valores, talvez como forma de libertação dos padrões absolutos impostos pelo regime militar de outrora, estamos caindo num outro tipo de regime absolutista: uma sociedade amoral, onde "é proibido proibir" - e também questionar, criticar, opinar...

Confundimos Democracia com Anarquia, Autoridade com Autoritarismo... condenamos todo tipo de norma, regra ou padrão (moral?) como algo absolutamente inaceitável, e aceitamos a banalização e relativização de tudo, como algo natural. Nesse cenário, onde o sofisma subjuga a lógica, todos os argumentos passam a ser válidos.

Sou professor, e sempre que questiono a utilidade e a relevância daquilo que estamos ensinando, recebo dos colegas respostas do tipo: "Todos nós estamos aqui, dando o nosso melhor, cumprindo nossos horários, seguindo os conteúdos... e vem você questionar a qualidade de nosso trabalho?!?! - quem você pensa que é??? - pensa que é melhor que os outros???"

Pois é... aí eu tenho que justificar o óbvio...

É possível produzir uma educação medíocre, mesmo cumprindo todo o conteúdo e carga horária. Educação é um processo coletivo, onde a soma de disciplinas (desconexas) não resulta, necessariamente, numa formação integrada. E por aí vai...

Todos sabem que a qualidade do que fazemos é ruim, mas... quem pode provar? Diante de qualquer crítica, citamos nossos currículos! "Somos mestres, doutores, especialistas! - como nosso trabalho pode ser ruim?". Nada é mais cansativo que ter que justificar o óbvio... Nada é mais desesperador que ver a lógica se dissolver em meio ao sofisma...

Felizmente, quando me vejo perdido nesse caldeirão, onde o certo e o errado se misturam, e onde é proibido questionar, posso contar com a lembrança da sábia definição, deixada por meu pai:
"Certo é tudo aquilo cujas consequências você pode encarar de cabeça erguida."
Pronto. Isso me basta para seguir em frente.

PS: É claro que, quando meu pai falava em "cabeça erguida", ele não era capaz de imaginar a cara-de-pau que as pessoas têm, para defender de cabeça erguida o indefensável. Assim, a definição ainda me é suficiente.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Google Chrome (Beta) disponível para Linux!

Após longos meses de espera, finalmente os usuários Linux podem rodar o Chrome como aplicação nativa.


Até agora, o navegador desenvolvido pelo Google estava disponível apenas para os sistemas Windows. Os usuários Linux podiam rodar a versão Windows via Wine, mas essa não era uma boa alternativa - eu mesmo testei há menos de um mês, e o desempenho era ruim, fazendo a CPU trabalhar em 100% em qualquer página com JavaScript.

Esta primeira versão para Linux, apesar de ser Beta, parece estar bastante estável. Instalou sem problemas (via .deb, no Ubuntu 8.10, 32bits), reconheceu automaticamente todos os plugins configurados no Firefox, e executou páginas com JavaScript (Google Docs) com um desempenho fantástico.

Para baixar, clique aqui.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Para quem gosta de reclamar das dificuldades

William Kamkwamba nasceu no Malawi. Aos 14 anos, em meio à pobreza e fome, guiado somente pelas ilustrações de um livro de física (em inglês), construiu um moinho para gerar eletricidade, e bombear água.

Aos 22, em palestra para o TED, conta com suas próprias palavras como ele conseguiu dominar o vento, e por de pé uma plateia repleta de azungu.

(clique em view subtitles para ativar legendas em Português)

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Fala Sério, Sr. Feynman !

Richard Feynman é quase um personagem folclórico: Físico visionário, participou do desenvolvimento da Bomba Atômica e revolucionou a Ciência moderna, antecipando conceitos como nanotecnologia e computação quântica. Ganhador do Prêmio Nobel em Física pela teoria da Eletrodinâmica Quântica, tornou-se mais famoso por ser um grande contador de anedotas, e por sua maneira fácil e direta de se comunicar - no meio acadêmico, ou em bordéis.

(o divertido Dr Feynman)

Entre 1951 e 1952, Feynman passou alguns meses no Brasil, e deu aulas na Academia Brasileira de Ciências. A seguir, estão algumas opiniões que o próprio Feynman registra sobre a forma como nós, brasileiros, estudamos ciências*.

"Em relação à educação no Brasil, tive uma experiência muito interessante. (...)"

Feynman descreve uma longa sequência de perguntas que fizera aos alunos, envolvendo a polarização da luz quando refletida por uma interface entre dois meios com índices de refração diferentes, mesclando perguntas teóricas (fórmulas) e práticas (observação da luz refletida, na superfície da baía, que podia ser vista pela janela)...
Depois de muita investigação, finalmente descobri que os estudantes tinham decorado tudo, mas não sabiam o que queria dizer. Quando eles ouviram “luz que é refletida de um meio com um índice de refração”, eles não sabiam que isso significava um material como a água. Eles não sabiam que a “direção da luz” é a direção na qual você vê alguma coisa quando está olhando, e assim por diante. Tudo estava totalmente decorado, mas nada havia sido traduzido em palavras que fizessem sentido. Assim, se eu perguntasse: “O que é o Ângulo de Brewster?”, eu estava entrando no computador com a senha correta. Mas se eu digo: “Observe a água”, nada acontece – eles não têm nada sob o comando “Observe a água”.

Depois participei de uma palestra na faculdade de engenharia. A palestra foi assim: “Dois corpos… são considerados equivalentes… se torques iguais… produzirem… acelerações iguais. (...). Os estudantes estavam todos sentados lá fazendo anotações e, quando o professor repetia a frase, checavam para ter certeza de que haviam anotado certo. Então eles anotavam a próxima frase, e a outra, e a outra. Eu era o único que sabia que o professor estava falando sobre objetos com o mesmo momento de inércia e era difícil descobrir isso.

Eu não conseguia entender como eles aprenderiam qualquer coisa daquela maneira. Ele estava falando sobre momentos de inércia, mas não se discutia quão difícil é empurrar uma porta para abrir quando se coloca muito peso longe do eixo, em comparação quando você coloca perto da dobradiça – nada!
Ao final do ano letivo, ele foi convidado para apresentar um seminário, sobre suas experiências com o ensino no Brasil... em sua fala, disparou:

"O principal propósito de minha apresentação é provar aos senhores que não se está ensinando ciência alguma no Brasil." (...)

Então ergui o livro de Física Elementar que eles estavam usando. "Não são mencionados resultados experimentais em lugar algum nesse livro, exceto em um lugar onde há uma bola, descendo um plano inclinado, onde ele diz a distância que a bola percorreu em um segundo, dois segundos, três segundos... Os números têm erros - ou seja, se você olhar, você pensa que está vendo resultados experimentais (...), no entanto, (...) se você realmente fizer esse experimento, produzirá cinco sétimos da resposta correta, por causa da energia extra necessária para a rotação da bola (que o autor do livro desconsidera).

(...) Ao folhear o livro aleatoriamente, posso mostrar que não há ciência, mas sim memorização, em todos os casos. Por exemplo:

"Triboluminescência é a luz emitida quando os cristais são friccionados..."

Digo: e aí? você fez ciência? Não! Apenas foi dito o significado de uma palavra, em termos de outras palavras. Não foi dito nada sobre a natureza - quais os cristais que produzem luz quando friccionados, nem por que eles produzem luz. Alguém viu algum estudante ir para casa e verificar isso experimentalmente?

Por fim, disse que não conseguia entender como alguém podia ser educado neste sistema autopropagante, no qual as pessoas passam nas provas e ensinam os outros a passar nas provas, mas ninguém sabe nada.

Como eu gostaria que essas fossem mais algumas das divertidas anedotas do Dr Feynman... mas infelizmente, ele está falando sério. É exatamente assim que nossas escolas funcionam! - e o pior, sua descrição, feita em 1951, ainda é bastante atual.

(*) Trechos retirados do livro "O Sr está brincando, Sr. Feynman?", de sua própria autoria.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Como limpar o computador?

Olhando por fora, às vezes é difícil imaginar a quantidade de sujeira que pode estar dentro de seu computador, mas o fato é que, após meses de funcionamento, uma quantidade enorme de poeira pode se acumular nos ventiladores, e até nas placas de circuitos.

Essa poeira pode dificultar o funcionamento dos ventiladores, provocando aquecimento do sistema. Combinada com maresia ou humidade, pode até causar corrosão nos circuitos, e causar sérios prejuízos.

Se você não acredita, veja como estava o meu computador, após 3 anos de uso...


IMPORTANTE: Antes de retirar o cooler da placa, certifique-se de que você possui pasta térmica para reaplicar. Se não tiver, então não retire. A montagem do cooler sobre a CPU sem o uso da pasta térmica, ou reaproveitando a pasta antiga, pode provocar o superaquecimento da CPU.

Placa-mãe: Retire o cooler da CPU e, de preferência, retire a placa do gabinete. Com um pincel seco, tire todo o excesso de poeira. Em seguida, passe uma escova de dentes, levemente umedecida com água (apenas água), por toda a placa. Sem aplicar força, escove principalmente as soldas dos componentes SMD (as perninhas dos chips), mas não escove os contatos dos slots (memória, PCI, AGP...). Repita o processo algumas vezes, para garantir que removeu toda a salinidade, mas cuidado com o excesso de água! - a escova tem que estar apenas levemente umedecida! - deixe a placa secar à sombra, em local ventilado. Não retire a CPU de seu soquete! - os pinos do soquete são extremamente delicados - só retire a CPU se realmente tiver necessidade.

NÃO USE ÁLCOOL ISOPROPÍLICO!

Esse produto é muito usado por "técnicos" em informática, mas muitos ignoram que ele é tóxico se inalado ou absorvido pela pele, podendo provocar desde ressecamento da pele e irritação nos olhos e vias respiratórias, até vertigem, dores de cabeça, vômito e diarréia. No caso de exposição repetida ou prolongada, pode levar a anemia, leucocitose, edema e degeneração gordurosa das vísceras. Seu uso deve ser evitado, e só deve usado com luvas, máscara e óculos apropriados.

Fonte: Wikipedia
Cooler da CPU: desmonte o cooler, separando o ventilador do dissipador. Com um pincel seco, tire todo o excesso de poeira. Você pode dar um banho com água corrente no dissipador, mas use apenas uma escova levemente umedecida para limpar o ventilador. Lubrifique motor do ventilador com grafite em pó. Não use óleo, nem spray lubrificante! - isso só vai ajudar a grudar ainda mais poeira, e emperrar de vez o motor.


Antes de recolocar o cooler, remova a pasta térmica antiga com uma toalha de papel seca, tanto no dissipador quanto na CPU, e coloque pasta térmica nova. Aplique apenas uma pequena quantidade, no centro, e espalhe com uma espátula plástica (a ponta de uma régua, por exemplo), deixando uma camada fina e uniforme. Não aplique pasta em excesso! - a pressão do cooler contra a CPU vai fazer o excesso de pasta escorrer para as laterais. Se cair pasta nos contatos do soquete, você estará em sérios apuros.

Teclado e mouse: Não tem mistério. Escova de dentes levemente umedecida, com uma gota de detergente neutro. Cuidado para não formar muita espuma, a ponto de escorrer para dentro do dispositivo. Para retirar o sabão, passe uma toalha de papel umedecida, e depois uma seca.

Monitor: Toalha de papel umedecida, com poucas gotas de detergente neutro. Passe por toda a tela, e enxugue logo em seguida com uma toalha de papel seca. Se alguma mancha ainda persistir, repita o procedimento, esfregando um pouco mais a região. Não aplique força! - a superfície de um LCD é muito frágil, podendo arranhar com muita facilidade, ou até quebrar, com uma pressão maior. De preferência, use as costas dos dedos para pressionar a toalha de papel contra a tela. Não use pano - ele vai soltar fiapos!

Pronto! - seu computador está limpo como novo. Apenas para reforçar: use apenas água e detergente neutro. Qualquer outro produto pode causar danos ao seu computador ou à sua saúde.


Leia também: 3 anos de poeira...

3 anos de poeira...

Após quase 3 anos de uso, finalmente tirei um fim de semana para fazer uma limpeza geral em meu desktop... a quantidade de poeira acumulada é impressionante!

(clique nas imagens, para ampliar)

Para começar, veja a corrosão do gabinete. O lugar mais afetado é onde o exaustor sopra o ar quente de dentro do micro para fora... a poeira e a maresia, acumuladas na grade, corroem o metal. Dá para ver que a corrosão está presente, ainda que em menor intensidade, em todo o gabinente. À dreita da foto, na fonte de alimentação, percebe-se que há outra concentração de corrosão, causado pelo ar que é soprado pelo cooler da CPU.


Esse é o exaustor do gabinete...


E esse é o cooler da CPU...


O cooler da CPU sopra o ar de cima para baixo, em direção à placa-mãe! Isso significa que toda essa poeira e maresia, que corroeram o gabinete, vão se espalhar por sua preciosa placa.

A placa de circuitos, em si, é protegida por uma camada de verniz, mas os contatos dos conectores, terminais dos componentes e pontos de solda estão totalmente expostos. Veja abaixo quanta poeira se acumula sobre os componentes.


Apesar de toda essa sujeira, não pude perceper nenhum ponto de corrosão nas placas de circuito. Acredito que esse "milagre" se deva ao meu hábito de deixá-lo ligado continuamente, 24 horas por dia, mantendo-o sempre aquecido. Isso evitou a condensação de umidade, que reagiria com a poeira e a maresia para formar o processo de corrosão.

Esqueça os problemas causados por falhas de energia, ou por aquecimento - a corrosão provocada pelo acúmulo de poeira e maresia é a principal causa de defeitos em computadores.

E agora? o que fazer?

O primeiro passo é limpar toda essa sujeira.

O segundo passo é evitar que toda essa poeira entre em seu computador novamente.

Em um desktop anterior, após perder 2 placas-mãe por maresia, eu tomei uma medida radical: enrolei toda a placa-mãe nova com um filme PVC (aquele usado para enrolar comida). Cortei apenas uma pequena janela, para fazer o contato térmico do dissipador da CPU, e outra para permitir a ventilação do dissipador do chipset. Só isso. Todo o restante da placa - inclusive o pente de memória, ficou hermeticamente fechado pelo filme de PVC. Teoricamente, isso causaria superaquecimento dos circuitos, o derretimento das calotas polares, e a extinção da vida na Terra... mas essa placa funcionou assim por anos. Bom... isso foi num K6-II, e o calor gerado pelos componentes naquela época era bem menor que nos sistemas atuais (será???).

Dessa vez, preferi não arriscar tanto. Pensei apenas em filtrar o ar que entra no gabinete. Assim, revesti o ventilador do gabinete com uma meia de seda, conforme a foto abaixo.


Fiz o mesmo no ventilador da fonte de alimentação. Detalhe: normalmente esses ventiladores são montados como exaustores, ou seja, eles sopram o ar quente de dentro para fora. Eu inverti essa montagem, para que os ventiladores soprem o ar frio (e agora filtrado) de fora para dentro. Isso pode elevar um pouco a temperatura interna, porque agora o calor da fonte será soprado para dentro do gabinete, mas eu estou mais preocupado com a maresia que com a temperatura.

Será que isso funciona???

Daqui a um ano, mostrarei os resultados.

Leia também: Como limpar o computador?

Wireless!!!

Algum dia, você já desejou que tudo fosse wireless???

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Como o Google Sidewiki pode revolucionar a Democracia

O Google lançou o Sidewiki: um serviço que permite a qualquer pessoa adicionar um comentário a qualquer página na internet. Para utilizá-lo, basta instalar a barra de ferramentas do Google em seu navegador (Firefox ou IE).

Com ele instalado, para adicionar um comentário a qualquer página, basta clicar no botão da barra de ferramenta, e digitar. Simples assim. Seu comentário poderá ser lido por todas as outras pessoas que também possuam a ferramenta, e que visitem aquela mesma página. Sempre que você visitar uma página que já possui comentários adicionados por outras pessoas, aparecerá uma discreta barra vertical, à esquerda da página, que poderá ser expandida para dar acesso às mensagens. A ferramenta permite, ainda, que os usuários votem positivamente ou negativamente nos comentários uns dos outros, criando um sistema aberto de moderação.

É evidente que esse recurso poderá ser usado de mil maneiras, com milhares de propósitos! - você poderá adicionar comentários, lembretes, recados, complementos, links para conteúdos relacionados, aos seus sites preferidos ou em sua rede social... entretanto, o poder dessa nova ferramenta é inimaginável e, certamente, vai muito além da web. Ela tem o potencial para transformar a sociedade.

Imagine, por exemplo, que qualquer cidadão poderá, livremente, anexar mensagens às páginas de políticos, de órgãos governamentais, de veículos de imprensa, de empresas... mesmo que essas não possuam o recurso para postar comentários, ou onde a postagem dependa de moderação.

É a Democracia, e a Liberdade de Expressão, levada ao seu limite máximo. Agora sim, todos têm o mesmo direito para expressar seus pensamentos.

Detalhe: os comentários não são anônimos. Para usar o serviço, você deverá estar logado como usuário do Google, portanto, se fizer comentários caluniosos, ofensivos, etc, poderá ser identificado, portanto... aprecie com moderação! - Com grande poder, vem grande responsabilidade!

Acredito (e espero) que essa ferramenta tem tudo para se transformar em algo tão revolucionário e transformador quanto a Wikipedia... só o tempo dirá.

Vamos lá! - Instale o Google Sidewiki agora mesmo, e exerça a sua liberdade de expressão!

Deixe o seu comentário!

terça-feira, 22 de setembro de 2009

The Matrix... versão Windows

Genial!!! - agora com legendas em português.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Robô imita anatomia de músculos e esqueleto humano

Normalmente, robôs humanoides imitam a forma humana, mas os mecanismos internos usados para dar-lhes movimento são muito diferentes dos que nós usamos, e isso se reflete em suas características. Isso gera severas limitações nas formas de interação em que tais robôs podem se engajar, no conhecimento que eles podem adquirir do ambiente e, portanto, na natureza do seu envolvimento cognitivo com o ambiente.

Entretanto, um novo tipo de robô está sendo desenvolvido por um consórcio formado por várias universidades européias - um robô antropomimético. Em vez de apenas copiar a forma externa de um humano, ele imita nossas estruturas e mecanismos internos - ossos, juntas, músculos e tendões - e portanto tem o potencial para agir e interagir como humanos.

(Ser ou não ser...)

O objetivo do projeto é, a partir desse "corpo", desenvolver uma "consciência", capaz de controlar seus movimentos - não com movimentos pré-programados, mas realmente aprender a usar esse corpo, como nós aprendemos a usar o nosso. É um projeto ambicioso - por isso mesmo, fascinante.



Referência:
Deixe seu comentário!

sábado, 19 de setembro de 2009

Liberdade para os seus Dados!

A tão-falada computação em núvem é uma proposta bacana: com ela, você pode acessar seus aplicativos e dados de qualquer lugar, sem a necessidade de tê-los instalados no dispositivo que você está usando no momento. Como benefício extra, você também não precisa mais se preocupar com atualização de softwares, nem com a sincronização das diversas cópias do mesmo arquivo, que você deixou espalhados no pendrive, no desktop de casa, no seu notebook, no computador do trabalho ou da faculdade.

Eu, por exemplo, uso exclusivamente o gmail via web, e há muitos anos que não uso um cliente de email. Para a edição de documentos, ainda não dá para dispensar completamente o BrOffice, mas para documentos mais simples, eu sempre prefiro usar o Google Docs. O mesmo para minha agenda, favoritos, fotos, etc: tá tudo na web. Até mesmo esse blog: ele é editado diretamente no navegador (alguém ainda usa o Front-Page?).

Poder acessar e manipular seus arquivos diretamente via web é muito prático, mas tem um grande problema: para que isso seja possível, você tem que confiar seus arquivos aos cuidados de um servidor (o Google, por exemplo). O que acontece quando, depois de anos depositando seus dados em um determinado serviço, você resolve migrar para outro?

Até agora, a resposta era: você não migra. A maioria desses serviços não dispõem de meios para exportar os dados lá depositados. Mesmo para os serviços que possuem alguma função de exportação, não há padronização (formato de arquivos) que tornem simples a importação em outro serviço.

Isso cria uma armadilha: É fácil se apaixonar por um serviço (muitas vezes, gratuito), e esquecer completamente sobre a importância de controlar seus próprios dados.

A "Frente para Libertação dos Dados" (Data Liberation Front) é uma iniciativa de um grupo de desenvolvedores do Google para tornar seus dados livres e acessíveis, de modo que você possa movê-los para qualquer outro serviço que deseje. O objetivo da equipe é viabilizar a exportação / importação de dados de / para qualquer serviço Google, sem nenhum custo adicional, da forma mais fácil possível.

O objetivo do grupo é desenvolver tecnologias e padrões amplamente aceitos, para compatibilizar a troca de dados entre todos os serviços, de preferência, com alguns clicks. Enquanto isso não acontece, o site traz instruções específicas, sobre como exportar / importar dados de cada serviço Google para os similares mais comuns.

Vale a pena guardar esse endereço: um dia, você pode precisar dele.

Referências:

Deixe o seu comentário!


terça-feira, 15 de setembro de 2009

Estudantes do MIT tiram fotos do espaço, gastando apenas U$150

Oliver Yeh, Justin Lee e Eric Newton, estudantes do MIT, construíram um aparato de baixo custo para fotografar a Terra, a mais de 28.000 metros de altura. Em vez de foguetes e sofisticados sistemas de controle, eles encheram um balão meteorológico com hélio e penduraram nele uma câmera digital.

(fonte: wired.com)

Claro que a coisa não é assim tão simples...

A essa altitude, a temperatura pode atingir -55ºC, o que causaria problemas ao funcionamento das baterias e partes eletrônicas da câmera. Para contornar esse problema, os estudantes colocaram tudo dentro de uma caixa de isopor, e adicionaram algumas bolsas térmicas para manter tudo aquecido lá dentro.


Outro detalhe importante é: quem vai apertar o botão para tirar as fotos??? - Para isso, os estudantes reprogramaram o firmware da câmera, fazendo-a tirar uma foto a cada 5 segundos. Um cartão de 8GB foi suficiente para registrar todas as fotos da missão. A Canon A470 foi escolhida exatamente por seu baixo custo, e também por permitir facilmente sua reprogramação, através do CHDK (Canon Hacker’s Development Kit).

Mais um problema: o balão não possui qualquer controle de vôo, e será carregado livremente pelos ventos. Como localizá-lo quando ele retornar ao chão? Os estudantes resolveram esse problema adicionando um celular Motorola i290, equipado com GPS, e uma antena externa, para conseguir ter alcance para a rede celular. Para rastrear o sinal do GPS, utilizaram o software Accutracking.


Custo total da missão, incluindo a fita adesiva: U$148,00.


O que há de extraordinário nesse feito é exatamente que ele não tem nada de extraordinário, exceto a criatividade dos estudantes. Esse experimento poderia ter sido feito por qualquer pessoa, em qualquer lugar. Todos os componentes utilizados podem ser comprados em lojas comuns, e nenhum conhecimento muito específico foi necessário - apenas curiosidade, e vontade.

Todos os detalhes deste projeto - denominado Ícaro - estão disponíveis neste site.

Referências:

Software Freedom Day - em Aracaju/SE


Acontecerá no próximo dia 19 de setembro de 2009 o Software Freedom Day (SFD) na Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe (FANESE) em Aracaju/SE.
O SFD é um evento que tem como principal objetivo promover o uso de software livre, apresentando sua filosofia, seu alcance, avanços e desenvolvimento ao público em geral. Ele acontece simultaneamente em diversas cidades do mundo e, neste ano, Aracaju terá sua primeira edição.

Mais informações:

softwarefreedomday.org

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Para Stallman, Partido Pirata pode prejudicar o Software Livre

O Partido Pirata surgiu em 2006, na Suécia, com propostas para reformar as leis de copyright, eliminar o sistema de patentes, assim como reforçar a proteção à privacidade individual, tanto na internet quanto na "vida real", e defender o livre compartilhamento de informações.


Apesar de muito recente, a iniciativa vem ganhando adeptos em todo o mundo - principalmente após o julgamento do site The Pirate Bay. Hoje, o partido é o terceiro maior da Suécia, em número de afiliados, já conta com um assento no Parlamento Europeu, e transformou-se numa rede internacional de partidos, com representações em mais de 30 países, incluindo o Brasil.

Especificamente com relação ao copyright, o Partido defende que "o monopólio, por parte do proprietário do copyright, para exploração comercial de uma obra estética deveria se limitar a cinco anos após sua publicação", em vez da proteção atual, que garante 70 anos após a morte do autor.

A princípio, a proposta parece bastante razoável mas, para Richard Stallman, criador da GPL - Licença Pública Geral, ela pode trazer consequências indesejáveis para o movimento do Software Livre:
"a combinação específica escolhida pelo Partido Pirata Sueco, ironicamente, é um tiro pela culatra no caso especial do software livre. Tenho certeza que eles não têm essa intenção, mas é o que deverá acontecer.

A GPL, e outras licenças de copyleft, usam a lei de copyright para defender a liberdade de cada usuário. A GPL permite a todos publicar modificações, mas apenas sob a mesma licença (...) e todos os redistribuidores são obrigados a dar livre acesso ao código-fonte."
Segundo Stallman, com a proposta do Partido Pirata,
"Após cinco anos, o código-fonte cairia em domínio público, e desenvolvedores de software proprietário estariam livres para incluí-los em seus programas [sem a obrigação, da GPL, de disponibilizar os fontes].

O software proprietário é protegido não apenas por copyright, mas também pelo EULA [Contrato de Licença ao Usuário Final], e os usuários não possuem o código-fonte. Mesmo que o copyright permita o compartilhamento não-comercial, o EULA pode proibi-lo.

Assim, qual seria o efeito de terminar o copyright desse programa após 5 anos? Isso não obrigaria o desenvolvedor a disponibilizar o código-fonte, e presumivelmente muitos nunca o farão. (...) O programa poderia ainda possuir uma "bomba programada", para fazê-lo parar de funcionar após 5 anos e, nesse caso, as cópias em domínio público não funcionariam."
Perceberam a armadilha? o Stallman está certo, mais uma vez!

Ele conclui seu artigo enfatizando que não se opõe aos princípios do Partido Pirata, e propõe mudanças em sua plataforma.

Uma opção seria estender o tempo do copyright para 10 anos, especificamente para o software livre, mas o PP não aceita criar essa excessão. Outra proposta seria obrigar o desenvolvedor de software proprietário entregar o código-fonte a um terceiro, que o manteria em segredo pelo prazo de 5 anos, e o tornaria público, após esse prazo.

E você? qual a sua sugestão?

Deixe o seu comentário!

domingo, 19 de julho de 2009

Cópias de obras em domínio público são protegidas por copyright?

Responda rápido: A cópia de uma obra que está em domínio público é protegida por copyright? Essa é a questão que está no centro de uma disputa legal da National Portrait Gallery, de Londres, contra um colaborador da Wikipedia, nos EUA.

Derrick Coetzee, um dos administradores da Wikipedia em inglês, inseriu na base Wikimedia Commons cerca de 3300 imagens de alta resolução de pinturas - todas feitas no séc XIX ou antes e, portanto, claramente em domínio público - digitalizadas pela National Portrait Gallery. Acontece que a NPG alega que investiu muito esforço, tempo e dinheiro no trabalho de digitalização dessas obras e que, embora as pinturas estejam em domínio público, os arquivos digitalizados são fruto de seu trabalho - sendo, assim, protegidos por copyright.

Apesar de não cobrar pelo acesso online ao acervo, nem pela visita presencial ao seu museu, em Londres, a NPG obtém receita com a venda de cópias impressas e direitos de reprodução das cópias digitalizadas para livros e revistas, e alega que a disponibilização desses arquivos na base Commons prejudica essa receita.

Por outro lado, representantes e colaboradores da Wikimedia alegam que as obras encontram-se em domínio público, e que várias outras galerias e museus, em vários países, já doaram voluntariamente seus acervos digitais para a Wikimedia Commons, e que a NPG deveria fazer o mesmo.

Para apimentar a discussão, acrescento o fato de que a NPG alega que as imagens eram disponibilizadas no seu site através de um aplicativo que permitia o zoom de suas partes, e que Coetze provavelmente usou algum software para baixar automaticamente as várias partes, recompondo as imagens totais em alta resolução, configurando um ato de "quebra de dispositivo de proteção", considerado ilegal pelo direito britânico. Entretanto, a NPG é inscrita, perante o governo britânico, como uma organização beneficente, isenta de impostos, que recebe verbas governamentais e donativos públicos, e que tem como missão "promover a apreciação e entendiento da pintura em todas as mídias (...) para a faixa mais ampla de visitantes que for possível". Se uma organização recebe dinheiro público para digitalizar obras em domínio público, ela tem o direito de "proteger" esses arquivos?

Comentários sobre essa questão em vários blogs afirmam que, nos EUA, não há dúvida: a cópia de uma obra em domínio público é também domínio público, mas que na Grã-Bretanha, há um vazio na legislação. Alguém sabe como essa questão seria resolvida segundo a legislação brasileira?

Referências:
Deixe o seu comentário!

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Grátis: O Futuro de um Preço Radical

Lembra-se do tempo em que o comércio cobrava mais caro pelo refrigerante gelado? se você não viveu essa época, acredite: 30 anos atrás, isso era muito comum. A justificativa para essa prática era muito simples: os freezers não eram tão comuns, e o comerciante estava gastando energia elétrica para gelar o refrigerante; assim, ao comprar um freezer, ele estava investindo para oferecer um "serviço adicional" ao cliente, logo era justo cobrar a mais por isso.

Hoje, nenhum lugar que eu conheça continua cobrando essa diferença, então, o que foi que mudou? o freezer e a energia elétrica tornaram-se gratuitos? Certamente não. A concorrência fez com que todos os estabelecimentos comprassem refrigeradores, e a alta disponibilidade do refrigerante gelado fez com que cada comerciante, em vez de cobrar pelo serviço adicional, transformassem essa comodidade em "atrativo" ou "vantagem competitiva", ou ainda "valor agregado", ou seja, passou a oferecer essa comodidade de graça, para atrair clientes. Com o tempo, todos os concorrentes passaram a adotar a mesma prática, de modo que esse serviço adicional gratuito deixou de ser uma vantagem, e passou a ser uma obrigação. Houve, portanto, uma mudança cultural na relação de consumo, provocada pela alta disponibilidade dos refrigeradores.

É claro que não há "almoço grátis". Obviamente, o comerciante ainda precisa obter receita e lucro, e sempre vai embutir seus custos (inclusive a energia elétrica e a compra do freezer) no preço de seus produtos. A questão, aqui, é que ele deixou de cobrar explicitamente por um serviço, e passou a cobrar em outro lugar.


O novo livro de Chris Anderson, FREE - The Future of a Radical Price, fala sobre como a revolução das tecnologias da informação estão provocando profundas mudanças nos modelos de negócios, levando o preço de muitos produtos e serviços a zero. No meio dessa revolução, muitos negócios estão desaparecendo, mas vários outros estão surgindo. Enquanto alguns setores procuram a Justiça, e tentam se amparar na Lei para evitar as mudanças, outros admitem que as mudanças são inevitáveis, e se preparam para surfar nas novas ondas. Se você prefere estar nesse segundo grupo, a leitura desse livro lhe será bastante útil.

Atualizado, em 08/09/2009:

A versão em português: "GRÁTIS - O Futuro dos Preços" já está disponível. Consulte os preços aqui.

Leia aqui um resumo (em inglês) das ideias apresentadas no livro.
Leia aqui um comentário (em português) sobre o livro e seu autor.

Chris Anderson também é autor do best-seller A Cauda Longa - do Mercado de Massa para o Mercado de Nicho.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

NASA leva Internet ao espaço

Vint Cerf, um dos criadores da internet e vice-presidente do Google, está desenvolvendo, junto com com um time de pesquisadores do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA, protocolos para criação de uma rede de comunicação interplanetária.
"O projeto iniciou há 10 anos como uma tentativa de imaginar que tipo de padrões de rede seriam úteis para suportar comunicação interplanetária. (...) O projeto da Internet Interplanetária tem como principal objetivo desenvolver um conjunto de padrões e especificações técnicas para dar suporte a recursos avançados de rede em ambientes espaciais."

Desafios


A comunicação no espaço envolve dois grandes desafios: grandes atrasos de propagação, devido às grandes distâncias, e grandes períodos de indisponibilidade dos nós, devido aos movimentos orbitais, e possível interposição (sombreamento) de outros corpos celestes no caminho.

Desde as primeiras missões, ainda na década de 1960, a NASA tem usado uma rede própria, chamada DSN (Deep Space Network), para manter contato com naves e sondas em missões de longa distância, mas essa rede suporta apenas a comunicação direta, ponto a ponto, e não lida automaticamente com a interrupção da comunicação, exigindo um agendamento prévio dos horários de comunicação, baseado no cálculo do posicionamento da sonda, da Terra, e dos demais corpos celestes no caminho.

Um novo protocolo, chamado DTN (Delay and Disruption Tolerant Network) está sendo desenvolvido para dar à comunicação interplanetária a mesma flexibilidade e confiabilidade que temos com o uso do TCP/IP, na internet aqui na Terra: em cada nó de roteamento, os pacotes de dados são armazenados, e encaminhados para o próximo nó assim que a comunicação estiver disponível.

Outro problema na comunicação espacial é a falta de padronização. Cada sonda ou espaçonave, lançada por países diferentes, em épocas diferentes, usa um protocolo próprio de comunicação. Segundo Vint Cerf,
"A parte importante é que teremos protocolos padronizados que irão permitir a interconexão de várias espaçonaves lançadas por diversos países. Com o tempo, com novas missões sendo lançadas, começa-se a construir um backbone. A cada nova missão, basicamente acrescenta-se um novo nó à rede."
O Primeiro Nó

Em maio, os pesquisadores acoplaram um módulo DTN à Estação Espacial Internacional, que será o primeiro nó permanente da Internet Interplanetária. Outras sondas antigas, como a Deep Impact, estão sendo reprogramadas para também funcionar como nós DTN.

Estação Espacial Internacional,
primeiro nó permanente da Internet Interplanetária


Para Kevin Gifford, pesquisador da Universidade do Colorado, que participa do projeto,
"Os conceitos fundamentais da DTN, de armazenar e retransmitir, certamente já estão funcionando, [mas] a DTN está ainda na sua infância; levarão ainda três a cinco anos antes que esteja madura."
Padrão Aberto

A tecnologia DTN pode também ser aplicada na Terra, para melhorar o acesso à internet em aviões, países em desenvolvimento ou para rastreamento de animais selvagens, mas os pesquisadores não pensam em comercializá-la.

"Estamos desenvolvendo isso como um padrão aberto, como o TCP/IP. Certamente há aplicações comerciais, mas nós estamos desenvolvendo para aplicá-la no espaço."

Referências:

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve

Uma boa notícia para os entusiastas da exploração espacial: o primeiro protótipo de um propulsor de plasma de alta potência, foi testado com sucesso pela Ad Astra, empresa americana fabricante de foguetes.
O VX-200 é o primeiro protótipo em condições de vôo, baseado no sistema VASIMR®, um novo tipo de propulsor de plasma de alta potência, inicialmente estudado pela NASA, e que vinha sendo desenvolvido em segredo pela Ad Astra. Propulsores com essa tecnologia podem permitir operações espaciais com eficiência muito maior que os atuais propulsores químicos (foguetes), e podem acelerar viagens tripuladas ou não, para Marte, e além.
A novidade está no uso de um magneto supercondutor que, em comparação com o magneto anteriormente usado, gera um campo magnético 10x mais intenso, proporcionando um aumento de 5x no fluxo de propelente e um aumento equivalente na taxa de produção de plasma. O desempenho alcançado nesse teste é consistente com as condições requeridas para um vôo espacial.

Até hoje, todos os sistemas de propulsão podem ser divididos em suas categorias:
  • Alto empuxo, com pouca eficiência
  • Baixo empuxo, com alta eficiência
propulsor de combustão química

Os foguetes de combustão química, utilizados em lançamentos partindo da Terra, estão na primeira categoria. Eles produzem empuxo de várias toneladas, mas para isso queimam quantidades imensas de combustível, desperdiçando grande parte da energia. Por isso, eles têm que decolar carregando um peso muito grande de combustível, que queima muito rapidamente, tendo autonomia de apenas poucos minutos. Viagens interplanetárias baseadas nesse tipo de foguete consumiriam quantidades inimagináveis de combustível.

propulsor iônico

Os propulsores iônicos, utilizados em algumas sondas interplanetárias, estão na segunda categoria: produzem empuxo equivalente ao peso de uma folha de papel mas, em compensação, são extremamente eficientes no uso de energia. Com isso, podem funcionar continuamente durante meses, acelerando continuamente a nave espacial. Esse tipo de propulsor jamais tiraria uma nave do chão, mas é o mais indicado para viagens de longa distância, em espaço aberto.

propulsor de plasma VASIMR®

O propulsor de plasma do tipo VASIMR® é capaz de aliar, pela primeira vez, alto empuxo, comparável aos foguetes de combustão, com alta eficiência, comparável aos propulsores iônicos.
"Isso significa que nós poderemos construir espaçonaves onde uma viagem de nossa órbita à Lua duraria um dia, e uma viagem a Marte levaria poucos meses (ou menos!), comparado ao tempo atual de quase um ano. À medida que esses motores se aperfeiçoarem (ou que possamos colocar vários deles em cada espaçonave), poderemos ter viagens ainda mais rápidas."

Ainda não é um motor de "dobra espacial", usado na série de ficção Star Trek, mas já é um bom começo!

USS Enterprise, série Star Trek
"Audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve..."

Referências:

sábado, 27 de junho de 2009

Irã usa a internet para silenciar ativistas

Nas últimas semanas, os cidadãos iranianos têm usado diversas tecnologias de comunicação para organizar mobilizações e protestos, e para transmitir ao mundo informações sobre os confrontos que sucederam a "reeleição" de Ahmadinejad. Muitos apontam essa mobilização iraniana como um exemplo de como as modernas tecnologias de comunicação podem ser usadas para dar maior liberdade de expressão aos indivíduos, e para combater regimes opressores.

Há, entretanto, um outro lado nessa história. Comunicações eletrônicas podem ser monitoradas, rastreadas e censuradas por um regime opressor que disponha de meios para tal. Dessa forma, mobilizações eletrônicas podem ser mais vulneráveis que os métodos de mobilização usados no passado.

Segundo o Wall Street Journal,
"O regime iraniano tem desenvolvido, com a ajuda de empresas europeias [Nokia e Siemens], um dos sistemas mais sofisticados no mundo para controle e censura da internet, que permite examinar o conteúdo de comunicações individuais em larga escala."
Sob esse sistema, todo o tráfego digital é roteado através de um único ponto, onde cada pacote de dados é inspecionado para monitorar cada email, tweet, postagem em blog e, possivelmente, até ligações telefônicas, em todo o Irã.

Além disso, o governo iraniano está usando crowdsourcing para postar fotos e videos de ativistas, e pedindo aos cidadãos para identificá-los.

Isso nos mostra que toda tecnologia é neutra, seu uso é que pode trazer efeitos positivos ou negativos.
"Se você pensar a respeito, isso não surpreende. Quem disse que apenas os mocinhos usam a internet em seu favor?" -- Farhad Manjoo, via Slate.
A questão vai muito além da eleição do Ahmadinejad, no Irã.

Todos nós estamos usando tecnologias de comunicação sem refletir sobre o preço que se paga, em perda de privacidade, por exemplo.

Ao usar celulares, emails, redes sociais, cartões de crédito, não nos damos conta de que estamos disponibilizando informações sobre nossa localização, hábitos de consumo, redes de contatos, etc. Muitos nem sabem que podemos estar sendo rastreados enquanto andamos dentro de shopping centers.

Por enquanto, o único incômodo que sentimos são as insistentes ligações de telemarketing, onde a telefonista sabe tudo sobre você, e você não faz a menor ideia de como ela obteve tais informações.

Nada disso nos preocupa, porque vivemos "em paz", em uma "democracia", onde as autoridades "garantem a nossa proteção". Sentimo-nos mais livres com o uso dessas tecnologias, e sempre achamos que a tecnologia, em si, favorece a liberdade.

A realidade, entretanto, pode ser diferente.

Fonte: Slashdot

Sua participação é importante.
Deixe o seu comentário!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Inversão de valores...

Sem comentários!

(clique para ampliar)

Nota: Recebi essa charge por email. Infelizmente, não tenho a referência. Se alguém tiver, por favor, mande para mim.

sábado, 13 de junho de 2009

Professores pré-históricos na Era da Informação - Parte III

O Google causou uma revolução no acesso à informação, ao disponibilizar gratuitamente uma ferramenta de buscas suficientemente inteligente para trazer as informações mais relevantes para uma dada pesquisa, com uma interface tão simples que qualquer pessoa - mesmo quem não tem qualquer intimidade com computadores - pode usar.

Agora, a Wolfram Research, desenvolvedora do já conhecido Mathematica, lançou o Wolfram Alpha, uma ferramenta on-line de computação de conhecimento, com uma certa capacidade de processamento de linguagem natural, que é capaz de solucionar problemas em diversas áreas do conhecimento, com uma interface quase tão simples e fácil de usar quanto a do Google.


Assim como o Google trouxe grande mudança na forma como alunos buscam soluções para seus trabalhos escolares, provocando profundas discussões entre professores sobre o mérito dos alunos na elaboração desses trabalhos, o Wolfram Alpha promete o mesmo.

Esse artigo traz uma excelente discussão sobre o receio que alguns professores estão enfrentando com o lançamento dessa nova ferramenta. Resumi abaixo algumas citações:
"Considerando que ainda há professores e departamentos nos EUA onde calculadoras gráficas ainda não são permitidas, alguns professores provavelmente irão reagir com resistência (em adotar essa ferramenta em suas aulas), ou mesmo com acusações de que seu uso possa ser considerado como uma forma de trapaça." -- Prof. Maria Andersen, Teaching College Math.

"Nos próximos semestres, nós teremos estudantes em nossas aulas perguntando 'Por que não podemos usar o Wolfram Alpha?'. Estamos tentando discutir ao máximo essa questão agora, para que nossos colegas não sejam surpreendidos por esse tipo de questionamento." -- Prof. Derek Bruff, Walpha Wiki - Teaching Undergraduate Math with Wolfram|Alpha

Para mim, o problema não está no uso dessas novas ferramentas e recursos tecnológicos, e sim na forma como os professores tentam avaliar o desempenho de seus alunos.

Na minha época de estudante, os professores pediam que fôssemos a uma biblioteca, para "pesquisar" sobre um determinado tema. O que os alunos faziam? iam até a biblioteca (*), tiravam fotocópias de um texto qualquer sobre aquele assunto (geralmente de uma enciclopédia), e depois transcreviam esse texto à mão (**), mudando algumas palavras, para tentar disfarçar.

Hoje, os professores continuam pedindo os mesmos tipos de trabalhos, mas os alunos se modernizaram: eles sentam-se diante de um computador, digitam o tema do trabalho no Google, copiam o primeiro texto que aparece como resposta (CTRL-C), colam no editor de textos (CTRL-V), imprimem com uma capa bacana, e pronto.

Nada mudou. Professores passam tarefas desinteressantes, mecânicas, e os alunos procuram o jeito mais fácil de se livrar daquela chatice. No passado, os alunos ainda podiam memorizar alguma coisa, enquanto copiavam o texto à mão. Hoje, os alunos não têm a menor chance de memorizar, porque a cópia e impressão são automáticas. Mas não podemos atribuir essa "piora de desempenho" à nova tecnologia! - a raiz do problema reside na forma irracional como os professores elaboram as tarefas.

Com o Wolfram Alpha, os alunos podem obter as soluções, passo a passo, para todos os problemas das tradicionais "listas de exercícios", com a mesma facilidade com que obtêm textos para os "trabalhos escolares" através do Google. Se os professores de matemática continuarem pedindo para os alunos resolverem apenas equações, eles passarão a aplicar a mesma técnica CTRL-C / CTRL-V que já aplicam para as outras disciplinas.

Para o próprio Stephen Wolfram, "essa é a natureza do progresso (...) a tecnologia sempre permite fazer mais e mais coisas automaticamente."

A escola precisa entender e aceitar isso. É preciso reformular as tarefas escolares, e todo o processo de avaliação do desempenho do aluno, colocando o foco na compreensão, interpretação e raciocínio, em vez da reprodução de conteúdos e técnicas.

Se uma ferramenta permite resolver e visualizar automaticamente problemas algébricos complicados, isso é ótimo! pois permite que eu explore mais e mais problemas, situações e variações com meus alunos!

Se os alunos podem usar essa ferramenta para responder automaticamente suas listas de exercícios, cabe ao professor elaborar questões onde o raciocínio seja mais importante que a técnica algébrica!


Na Era da Informação, encontrar as respostas certas tornou-se muito fácil... que tal, então, estimular os alunos a fazerem as perguntas certas???


Essa é a parte III de uma série. Leia também as partes I e II.


(*) - estou falando dos anos 1980... a web ainda não existia, e muito menos o Google!

(**) - pois é... também não era muito comum ter computadores e impressoras em casa, nem na escola, naquela época


Deixe o seu comentário!

Professores pré-históricos na Era da Informação - Parte II

O Ars Technica trouxe um interessante artigo sobre um estudante de ciência da computação da San Jose State University (EUA) que, após a conclusão de uma disciplina, publicou os códigos-fonte feitos por ele como resposta aos exercícios e atividades. O professor da disciplina opôs-se vigorosamente a essa iniciativa do estudante, levando o caso até a direção da Universidade, alegando que ele estava violando a política de conduta da instituição, pois era uma forma de ajudar os colegas (das futuras turmas) a "colar".

O caso não é único, e expõe uma ferida aberta na forma como professores tentam avaliar o desempenho individual de seus alunos, em plena era do compartilhamento da informação.


Esse ilustre professor certamente não refletiu que, ao argumentar que o aluno estaria ajudando os colegas das próximas turmas a "colar" nos trabalhos da disciplina, ele estaria assumindo que as tarefas de sua disciplina permanecem sempre as mesmas, semestre após semestre. Ou será que esse professor considera isso uma coisa normal?

Professores têm que compreender, urgentemente, duas coisas:
  1. Eles não são a única fonte de informação.
    Existe um mundo inteiro lá fora, onde os estudantes podem (e devem) trocar informações, conhecimentos, e experiências. Quando a tarefa é bem elaborada, e estimula a busca por soluções criativas e não apenas a regurgitação da "matéria dada", a troca de soluções e experiências entre estudantes pode ser muito mais proveitosa que dezenas de aulas.
  2. O trabalho acadêmico precisa ter utilidade.
    Chega de mandar estudantes escreverem trabalhos repetitivos, cujos resultados ninguém está interessado em ler. É preciso trabalhar com problemas reais, estimulantes, cujo ciclo de desenvolvimento seja maior que a duração da própria disciplina, e cujos resultados sejam úteis como material para as próximas edições da disciplina.
Duas das melhores disciplinas que eu tive em meu mestrado, no Centro de Informática da UFPE, foram exatamente as que estimulavam seus alunos a introduzir novas funcionalidades em trabalhos que foram desenvolvidos por alunos de turmas anteriores, criando um projeto que crescia e melhorava a cada semestre. Essa é uma forma de dar utilidade ao trabalho acadêmico, além de estimular a troca de informações e conhecimento entre colegas.

Felizmente, nesse caso, o bom senso falou mais alto e, após uma longa disputa, a instituição posicionou-se a favor do aluno, afirmando que professores não têm o direito de proibir que alunos divulguem seus próprios códigos-fonte.


Essa é a Parte II de uma série. Leia também as partes I e III.


Deixe seu comentário!

Professores pré-históricos na Era da Informação - Parte I

Sempre fui um sujeito contestador. Nunca aceitei imposições sem uma devida justificativa. Daí, você já pode imaginar que eu tive muitos conflitos com meus professores! - Professores tradicionalmente gostam de impor métodos e dogmas aos seus alunos, e eu sempre gostei de procurar caminhos alternativos, e confrontar resultados.
Quando eu estava no curso técnico de Eletrônica, tive uma professora de matemática que proibia o uso de calculadora(*), e nos obrigava a usar tabelas trigonométricas e de logaritmos para resolver os problemas (se você não sabe que tabelas são essas, sorte sua!). Um dia, quando eu questionei essa arbitrariedade, ela argumentou que "se você ficar dependente da calculadora, o que fará no dia que esquecê-la em casa?"; o meu contra-argumento, na bucha, foi: "e o que a senhora fará no dia que esquecer suas tabelas em casa?". Isso rendeu um grande bate-boca, que se estendeu por todo o período.
Algum tempo depois, já no curso de Engenharia, deparei-me com um professor de Desenho que queria nos ensinar métodos arcanos para dividir uma circunferência em n partes iguais, usando somente compasso e esquadros. Eu juro que tentei ficar calado, mas não resisti. Depois do quarto ou quinto método, questionei: "professor, porque não podemos simplesmente dividir 360 / n e marcar as divisões usando um transferidor?"(**). Você imagina qual foi a resposta dele? - acredite se quiser: seu argumento foi: "e o que você fará quando não tiver um transferidor por perto?"... impressionante! professores tão distantes, no espaço e no tempo, tinham o mesmo argumento irracional! - e eu já tinha uma resposta na ponta da língua para esse argumento!

A lista é longa, e eu poderia contar aqui vários outros casos semelhantes. O fato é que professores se habituam a ensinar alguma coisa que já foi útil em alguma época, e muitas vezes não param para refletir sobre a utilidade daquilo no momento presente. Pior: esses dois casos demonstram que professores tendem a confundir um método particular com o conceito geral. Não importa a época, sempre será necessário usar logaritmos ou trigonometria; esses são conceitos que devem ser bem compreendidos, independente da época. O método de resolução, entretanto, depende da tecnologia disponível na época. No passado, usavam-se tabelas e réguas de cálculo, depois calculadoras, planilhas eletrônicas, e aplicativos para manipulação algébrica.

Infelizmente, muitos professores continuam proibindo (ou tentando proibir) o acesso dos alunos a novas ferramentas e tecnologias, julgando que elas tiram do aluno o "mérito" pela resolução do problema. Nessa semana, coincidentemente, li dois artigos discutindo casos como esses, em escolas americanas.

Discuto esses dois casos nas partes II e III deste artigo.

(*) - isso foi em 1986, e antes que algum engraçadinho pergunte, já existiam calculadoras eletrônicas nessa época, sim!
(**) - isso foi em 1990, e os CADs ainda não eram tão acessíveis como hoje - o desenho era feito no papel, mesmo, usando-se lápis, esquadros, compasso e... transferidor.

terça-feira, 2 de junho de 2009

ARM espera estar em 6 milhões de netbooks, em 2010

A ARM estima o lançamento de cerca de 10 modelos de netbooks com arquitetura ARM ainda esse ano, e espera ver seus processadores em 6 milhões de netbooks em 2010, o que corresponde a 1/5 do volume projetado para esse segmento, estimado em 30 milhões de unidades.

Com forte presença em dispositivos portáteis e dedicados, como celulares, smartphones, câmeras, consoles de jogos e eletrodomésticos, e notáveis pelo seu baixíssimo consumo de energia, os processadores ARM nunca tiveram espaço no mundo dos poderosos processadores para PCs, dominados pela arquitetura x86. Com o surgimento dos netbooks, abre-se a porta para a quebra dessa hegemonia.
Os novos processadores ARM Cortex A8, e o Cortex A9, com quatro núcleos, que serão usados nessa nova geração de netbooks, prometem desempenho compatível com aplicações de desktops, enquanto consomem dez vezes menos energia que um Intel Atom.

Essa é uma importante notícia, para o segmento que promete ser o mais inovador dos últimos anos. A primeira geração de netbooks foi construída simplesmente como notebooks reduzidos: a mesma velha arquitetura x86, com menos memória, menos periféricos. Nada foi realmente redesenhado especificamente para esse novo fim. Agora, com o grande sucesso desse segmento, as indústrias começam a investir em novos projetos, novas arquiteturas.

A segunda geração de netbooks promete mudanças mais radicais: uso de novas arquiteturas, buscando melhores relações de desempenho e consumo de energia, e desenvolvimento de novas interfaces, que permitam uma experiência totalmente nova ao usuário.

Pela primeira vez, a hegemonia Windows / Intel pode ser ameaçada. As versões do Windows para dispositivos móveis rodam na arquitetura ARM, mas as versões para desktops rodam somente na arquitetura x86. A entrada da arquitetura ARM no mundo dos PCs, ainda que através do segmento dos netbooks, representa uma oportunidade de mudanças num cenário há muito estagnado.

Taí uma briga que eu vou querer acompanhar bem de perto!

Referências:
Deixe o seu comentário!

sábado, 9 de maio de 2009

Desenvolvedores de Software devem ser responsabilizados por seus códigos?

A Comissão Europeia está propondo que produtores de software possam ser responsabilizados por prejuízos causados por eventuais falhas, da mesma forma fazemos com qualquer outro produto. Se essa proposta se tornar lei, empresas de software poderão ser processadas por falhas de segurança, ou mesmo pela ineficácia de seus produtos.

Com base nessa notícia, o Linux Journal abriu uma interessante discussão sobre esse assunto, tentando avaliar os lados positivos e negativos de tal proposta, iniciando com um argumento para cada lado:

Bruce Schneier é favorável à proposta, defendendo que
Em nenhuma outra indústria, produtos de má qualidade são vendidos para um público que já espera por problemas frequentes, e onde os consumidores é que devem se virar para solucioná-los. Se um fabricante de automóveis tem um problema com uma série, e lança uma nota de recall, isso é um evento raro, e um bom negócio - você pode levar seu automóvel e ele será consertado, de graça. Computadores são o único item no mercado de consumo em massa que coloca toda a responsabilidade nas costas do consumidor, exigindo que ele tenha alto nível de conhecimento técnico apenas para sobreviver.

(...)

O caminho para resolver isso é responsabilizar o produtor de software. Computadores são também o único item de consumo em massa onde os fabricantes não se responsabilizam por falhas. A razão pela qual os automóveis são tão bem construídos é que seus fabricantes são responsabilizados se algo der errado. A falta de responsabilização para o software é, efetivamente, um vasto subsídio do governo para a indústria de TI. Isso permite que eles produzam mais produtos em menos tempo, com menos preocupação quanto à confiabilidade, segurança, e qualidade.
Por outro lado, Alan Cox é contrário à proposta. Segundo ele,

Seria difícil responsabilizar desenvolvedores de código aberto por seus códigos, pela própria natureza do desenvolvimento do código aberto. Como desenvolvedores compartilham códigos por toda a comunidade, a responsabilidade é coletiva. "Potencialmente, não há como responsabilizar alguém".

O concenso entre os dois pontos de vista parece estar na separação entre software livre, onde não há uma relação comercial entre desenvolvedor e consumidor, e o software proprietário, licenciado, onde há uma relação comercial explícita, com contrato que estabelece direitos e deveres de cada parte.

E você? qual a sua opinião?


Referências:

Deixe o seu comentário!

Artigos mais recentes:

Artigos mais lidos:

.